Trabalho autônomo

Essa modalidade de trabalho chega com força para os brasileiros nos números nos últimos anos. Em 2021 o número já era de 25,2 milhões de trabalhadores autônomos no país, e a cada mês, o número tende a subir, batendo os recordes da série histórica, que teve início em 2012.

A queda de oferta de empregos formais pós-pandemia ajudou a modalidade a se estabelecer, o mercado de trabalho está passando por diversas transformações para que haja oportunidades para todos, e apesar das facilidades, é preciso estudar se essa é de fato a melhor escolha para você e o seu negócio, já que o trabalho autônomo não exige nenhum tipo de certificação ou qualificação, o que pode gerar inseguranças para os seus clientes.

Mas, o que é o trabalho autônomo?

Um trabalhador autônomo é um profissional que exerce qualquer atividade de forma liberal, podendo ser por meio de contrato de prestação de serviços com ou sem exclusividade por um tempo específico ou não, sem nenhum vínculo empregatício, mediante pagamento de uma remuneração. Esse tipo de contrato vem favorecendo os trabalhadores que procuram oportunidades de trabalho no mercado digital e também são favorecidos por todas as questões tributárias.

Esse profissional, por não ter vínculo empregatício, tem total autonomia financeira e profissional, na maioria das vezes não tem compromisso com horários e pode, muitas vezes, assumir o home office.

A prestação de serviços pode se tornar habitual dependendo da forma que o profissional exerce seu trabalho, o que não é uma exigência, muitas vezes costuma ser só eventual.

Antonio Palermo, citado por Roberto Vilhena, define tais fundamentos para o trabalhador autônomo:

a) liberdade de organização e de execução do próprio trabalho, ou seja, o trabalhador tem total autonomia para definir como realizará o seu próprio trabalho, e pode inclusive contar com auxiliares ou substitutos.

b) liberdade de disposição do resultado do próprio trabalho, ou seja, ele pode ou não alienar a sua atividade, ao contrário do trabalho subordinado, em que o trabalhador coloca a disposição de outra pessoa a sua força de trabalho, sem assumir riscos e se sujeitando às sanções da empresa, inclusive no que se refere ao campo disciplinar.

c) autonomia do prestador da obra no duplo sentido, ou seja, liberdade de vínculo de subordinação técnica, na medida em que a prestação de trabalho é fruto de uma manifestação da capacidade profissional ou artística individual, e econômica, considerando que o trabalhador assume o risco do próprio trabalho, sofrendo eventualmente as perdas.

Isso se difere do trabalhador subordinado, que vende a sua força de trabalho, e colocando-se à disposição para direção empresarial, ou seja, assume o compromisso de horários e conduta, rotina, etc, porém, não assume nenhum risco.

O profissional autônomo então, não se compromete com o dever de obediência e nem recebe ordens da pessoa que se beneficia com a sua força de trabalho, mas claro, ainda deve estar de acordo com os parâmetros e orientações estabelecidos sobre como o trabalho deve ser entregue.

Quais as características necessárias para ser definido como um prestador de serviços autônomo?

Algumas características devem ser cultivadas e trabalhadas para que você construa o que é necessário para triunfar com sendo PJ ou autônomo. O relacionamento com clientes, parceiros e equipe em geral, vai depender muito disso e criar um diferencial num mercado que cada vez conta com mais oferta.

  • Prestatividade e disposição para ajudar

A predisposição em solucionar problemas e enxergar soluções é uma característica valiosa para quem deseja trabalhar por conta própria. A prontidão está ligada a esse aspecto, que traz benefícios a empresa, porque o profissional com essa soft skill acaba oferecendo mais apoio e disponibilidade, o que traz a empresa mais segurança e uma forma de apoio mais completa e atenciosa.

  • Zelo e empatia

Essa é uma característica muito importante quando se lida com pessoas. As empresas estão desenvolvendo outras formas de atendimento e relacionamento com o cliente, justamente pela empatia ser tão valorizada nos dias de hoje.

Frases como “eu entendo sua frustração por tal acontecimento” ou “como posso te auxiliar neste problema” fazem a diferença e levam a melhor de atendimentos mais robotizados que não validam as frustrações que podem ocorrer após qualquer prestação de serviço, e são essenciais nessa soft skill.

Claro, essa forma de validação só se faz eficaz quando é espontânea e verdadeira, senão, pode se tornar também robotizada e não surtir o efeito desejado. Por isso mesmo é uma soft skill, que pode ser aprimorada, claro, mas primeiro, o prestador de serviço deve se identificar com essa forma de tratamento atencioso.

A empatia vai muito além de uma frase de feito, é o desejo de realmente se colocar no lugar do outro, de tratar como gostaria de ser tratado, e a disposição em trabalhar juntos para a resolução de um problema, sem se deixar afetar pelo tratamento do outro, que pode ser até ríspido de início. Conhecer bem o seu campo de trabalho é uma forma de se prevenir de situações inesperadas e saber qual é o próximo passo para resoluções de problemas quando estes surgirem.

  • Intercomunicação e extroversão

Estar aberto a novas conexões e saber falar e ouvir as pessoas é uma qualidade de ouro no mercado. Raros são os empregos que vão proporcionar ambientes de trabalho em que não é necessário o contato com outras pessoas, e além do campo profissional, essa é uma soft skill que deve ser cultivada pra vida.

Saber ouvir atenciosamente, ter clareza para se comunicar e tratar as pessoas ao redor com cuidado e gentileza são fundamentais em qualquer ramo de atividade. Hoje lidamos com uma infinidade de ofertas em qualquer nicho, e diferente de antigamente, ter esse cuidado é essencial para manter o cliente satisfeito. Boa dicção e um tom de voz adequado estão intimamente ligados a essa característica, assim como clareza e coerência, e claro, boa gramática!

  • Inteligência emocional e social

Inteligência emocional se remete a ter controle e maturidade das suas próprias emoções. Isso é necessário para se manter uma boa relação com as outras pessoas no geral, e principalmente dentro do ambiente profissional.

É preciso ter essa maturidade quando o cliente fala, para se entender além das entrelinhas e ter a consciência de que o que se está sendo dito, pode não ser necessariamente sobre você, mas na maioria das vezes, é sobre um produto ou um problema em específico. Quem nunca encontrou um cliente difícil e insatisfeito?

Essa soft skill permite você ter segurança da forma como vai externalizar os seus pensamentos sem ser ríspido, não se deixar levar por insatisfações que o cliente apresenta e ser calmo, claro e objetivo ao solucionar tais situações. Um bom discurso, apresentado com clareza, conta muito mais para o cliente ter uma experiência positiva, do que outros pontos técnicos.

  • Desenvoltura para resolver problemas

Duas características devem ser valorizadas para quem se identifica como um solucionador de problemas: autoconfiança e segurança sobre o seu negócio. Antecipação de qualquer problema que possa surgir é uma base para qualquer trabalho bem sucedido, é primordial ter as ferramentas para solucionar um pequeno percalço para não ter que lidar com uma grande crise, e mesmo que você não saiba exatamente qual é o próximo passo para resolução, ter a autoconfiança para poder lidar com as adversidades com calma, ou seja, nem sempre é possível ter as respostas para todas as situações, lidar com qualquer negócio tem suas instabilidades, mas a vontade de resolver, e saber que você tem as ferramentas necessárias para tal, pode prevenir muitos problemas maiores.

  • Ferramentas para gerenciamento de stress

Lidar com pessoas é estressante por si só, mesmo que os seus clientes sejam cordiais, porém, o relacionamento interpessoal é sempre uma caixinha de surpresas, e você com certeza vai precisar respirar fundo em alguns momentos.

Essa habilidade está bem ligada a pontos anteriores, como inteligência emocional, e saber gerenciar o seu nível de estresse e não descontar em ninguém ao seu redor, é muito importante para manter todas as engrenagens funcionando corretamente.

  • Criatividade e habilidade para inovar

Imprevistos e novas situações podem surgir a qualquer momento, e ter o jogo de cintura para usar a sua criatividade para sair de certas situações com maestria é uma arma poderosa. O profissional que encontra respostas mais rápido e com mais eficiência, é muito mais valorizado, e isso quer dizer ter uma visão mais ampla de possíveis soluções. Criar uma rotina personalizada e ter a capacidade de buscar seus próprios caminhos também é necessário nessa jornada.

  • Administração de tempo

O gerenciamento de tempo pessoal e profissional é muito valorizado nessa modalidade, já que ela vai muito além do trabalho que estamos acostumados, de segunda a sexta, das 8h às 18h. O seu bem-estar vai estar intimamente ligado a essa capacidade de saber quando trabalhar, e quando é necessário um tempo pessoal, já que nada disso está claro quando se é autônomo.O cotidiano pode trazer um acúmulo de obrigações e tarefas a serem cumpridas, e com isso, um acúmulo de estresse que vai gerar um profissional sobrecarregado e descontente.

Nesse cenário, saber criar uma rotina saudável, gerir o próprio tempo e evitar a procrastinação vão dar ao profissional uma grande vantagem no mercado, já que uma pessoa saudável e com autonomia sobre o seu tempo, com certeza, é capaz de produzir mais e melhor. No trabalho autônomo a qualidade de vida deixa de ser responsabilidade da empresa e passa a ser do indivíduo, que sem o conhecimento sobre o assunto pode ter dificuldades no início, mas com um bom estudo da sua rotina e compromissos pessoais, esse problema pode ser resolvido. 

A diferença entre profissional autônomo, MEI e profissional liberal

É possível que nem todo mundo entenda completamente essas diferentes categorias profissionais

Autônomo

  • Não possui carteira assinada;
  • Pode ser pessoa física ou jurídica;
  • Não é obrigatório certificações/habilitações;
  • Pode prestar serviços a pessoas físicas ou jurídicas;
  • Assume seu próprio risco;
  • Não está subordinado a cadeia hierárquica;
  • Possui flexibilidade de horários;
  • É passível de tributos.

Essa modalidade deixa o profissional bem livre, não permitindo o vínculo empregatício e não sendo obrigado a apresentar habilitações ou certificados para exercer o seu trabalho, assim como a liberdade para estabelecer o seu próprio horário e rotina, porém, com a obrigação de arcar com certos tributos.

MEI

O micro empreendedor só pode ser uma pessoa jurídica, ou seja, uma empresa, além de certas diretrizes:

  • Pode contar com o máximo de nove funcionários para comércio e serviços, ou 19 funcionários em caso de indústria e construção civil;
  • A renda anual deve se limitar a R$ 240.000,00 anuais;
  • Está sujeito a certos tributos, como: IRPJ, ICMS, COFINS, PIS, CSLL, IPI, etc;
  • Deve declarar renda e é imposto às suas atividades os compromissos com a previdência própria e também a de seus funcionários.

Profissional liberal

Ao se falar em profissional liberal, lembramos logo de profissões como advocacia, engenharia, medicina e etc. E sim, esses são exemplos de profissionais liberais que podem ou não ter vínculo empregatício e trabalhar em uma ou mais empresas, mas ao contrário de outros profissionais, estes devem se responsabilizar pelos seus próprios erros.

Eles contam com os conselhos ou sindicatos de suas profissões, ou seja, OAB para advogados, CRM para médicos, e assim por diante.

Esses profissionais também estão sujeitos a impostos, taxas e tributações sobre os serviços prestados, muito se assemelha aos autônomos nessa parte, pagando IRPF/IRPJ, ISS, PIS, INSS, etc.

No caso de registro em conselhos ou sindicatos, também devem manter em dia o pagamento de taxas relacionadas à manutenção dessas entidades.

Espécies do trabalho autônomo

Há duas espécies diferentes para o trabalho autônomo, confira:

  • Prestadores de serviços de profissões não regulamentadas, nesta categoria podemos exemplar: jornalista, pedreiro, pintor, faxineiro, digitador, entre outros.
  • Prestadores de serviços de profissões regulamentadas, aqui entram algumas profissões que já citamos anteriormente, como médicos, advogados, nutricionistas, psicólogos e qualquer outra profissão que seja registrada em conselho regional de fiscalização profissional.

Tipos de trabalhadores autônomos

Os tipos são muito variados, mas há alguns que já são mais conhecidos no mercado:

  • Professor particular
  • Fotógrafo
  • Cuidador de pet
  • Confeiteiro
  • Babá
  • Vendedor de doces
  • Faxineiro
  • Organizador de festas
  • Editor de vídeos
  • Marketing digital e produtor de conteúdos para a internet
  • Manutenção de eletrônicos

Coaching para assuntos de âmbito pessoal

  • Coach de relacionamentos
  • Coach financeiro
  • Coach espiritual
  • Coach de emagrecimento
  • Coach de estilo

Coaching para assuntos de âmbito profissional

  • Coach de performance
  • Coach de vendas
  • Coach de liderança
  • Coach de carreira
  • Coach corporativo

As vantagens de migrar para o mercado autônomo

A flexibilidade é uma das maiores vantagens ao se tornar autônomo. É possível definir sua agenda e compromissos de acordo com as suas possibilidades, sem precisar seguir um modelo predefinido de trabalho por um patrão ou qualquer superior, sem horários fixos para início e término de trabalho. Isso é ideal para quem quer ter sua autonomia para conciliar a vida pessoal e profissional.

A ausência de hierarquia também é uma grande vantagem, ou seja, não precisar responder a um patrão. A ideia de ter a liberdade de pensar fora da caixa quando necessário, sem precisar explicar suas decisões e nem seguir padrões tão bem definidos, como é o caso de uma empresa, impulsiona vários trabalhadores a seguir essa modalidade, além de não receber ordens.

Apesar disso, o trabalhador autônomo não pode ser uma pessoa indisciplinada ou irresponsável, já que isso causaria repúdio na hora de procurar novos clientes, é necessário organização e disciplina para manter o negócio fluindo da melhor forma possível.

Mesmo com a possibilidade de flexibilização de horários e nível de disciplina, o controle dos seus próprios compromissos, metas e quantidade de trabalho a ser feito é indispensável ao autônomo, já que em caso de falha, é o próprio trabalhador que arcará com o resultado de suas falhas, ou seja, é indispensável o controle e organizar-se o máximo possível para conseguir ir de encontro com todas as responsabilidades.

De forma geral, não é necessário apresentar o certificado ou qualquer outro tipo de prova sob as suas responsabilidades, mas ter o conhecimento sobre suas atividades é essencial.

Também é importante lembrar, que mesmo com essas facilidades, pode ser que o prestador de serviços esteja sujeito a alguns requisitos para ir de encontro às solicitações de determinada empresa a quem vai oferecer seus conhecimentos.

A carga tributária também pode ser uma das vantagens de migrar para o mercado autônomo.

As desvantagens de migrar para o mercado autônomo

Certos privilégios também serão perdidos ao se trabalhar no mercado autônomo, já que não conta com os direitos da consolidação das leis trabalhistas por não ter vínculo empregatício. Alguns desses benefícios que não se estendem aos autônomos são o 13º, férias, PIS, FGTS, descanso semanal remunerado, horas extras, etc…

Na modalidade autônoma, é preciso que você mesmo arque com o INSS para garantir o benefício da aposentadoria, mas isso também pode ser visto como uma vantagem, já que o valor é menor, correspondendo a 11% do salário mínimo.

Alguns benefícios que podemos usufruir trabalhando com vínculo empregatício também não são devidos aos trabalhadores autônomos, como o vale-transporte, vale-refeição, gratificação, plano de saúde, entre outros.

O autônomo não tem uma renda definida, ou seja, na maior parte dos casos não tem um salário-base com o qual pode contar, e isso existe controle financeiro para lidar com meses de menor produtividade.

O trabalhador autônomo também é totalmente responsável por seus erros, o que a depender do trabalho prestado, pode ser uma vantagem ou desvantagem, mas é importante ter em mente a total responsabilidade por qualquer erro ou prejuízo causado.

Sendo autônomo, é vantajoso se tornar uma pessoa jurídica?

O seu rendimento mensal e o seu tipo de atividade vão contar muito ao tomar essa decisão.

Imposto sobre serviços

O empreendedor autônomo deve fazer uma inscrição na prefeitura e fazer o recolhimento de impostos sobre serviços (ISS).

Para algumas profissões, a depender do município, há a isenção desse imposto, mas isso depende das regras estabelecidas pela prefeitura sobre a sua ocupação.

Imposto de renda

Mensalmente deve haver o recolhimento de imposto de renda. O valor a ser recolhido vai de acordo com uma tabela de acordo com os seus ganhos, indo de 15% a 27,5%.

É responsabilidade da empresa que contrata os serviços do autônomo fazer o recolhimento de imposto de renda e informar os rendimentos ao início de cada ano, o que vai possibilitar o preenchimento da Declaração de Ajuste Anual, que é responsabilidade do trabalhador. Essa é considerada uma grande desvantagem, já que a empresa arca com 20% de INSS sobre os rendimentos do trabalhador, então é uma vantagem maior contratar alguém com CNPJ.

Já quando o autônomo fornece seus serviços a pessoas físicas, é dele próprio a responsabilidade de arcar com o imposto de renda, o que pode ser feito por meio do lançamento mensal de ganhos no carnê-leão.

O valor é sobre os rendimentos obtidos como pessoa física após qualquer redução cabível e também após o desconto da contribuição para o INSS. A guia para recolhimento é chamada DARF, e é emitida pela receita federal para ser paga em qualquer instituição bancária.

INSS

Profissionais que trabalham como pessoa física tem o direito de se inscreverem na Previdência Social e fazerem os recolhimentos do INSS para futuramente garantir benefícios como aposentadoria, ou até mesmo ter direito ao auxílio-doença, salário-maternidade e demais benefícios quando necessário.

É disponibilizado um carnê de pagamento mensal no site da receita federal, e o valor é de 11% sobre o salário mínimo, ou 20% quando o valor ultrapassa o salário vigente.

Livro-caixa

Quando se trabalha na modalidade de autônomo, é possível deduzir certos gastos como despesas relativas à sua ocupação profissional, como contas de aluguel, telefone, água, energia, internet, entre outras, e quem trabalha em casa também tem a opção de deduzir um quinto das suas despesas residenciais no imposto de renda. Você pode manter os comprovantes e deduzir tais custos no livro-caixa todos os meses e lançá-los no Carnê-Leão, como é o caso de quem presta serviço para pessoas físicas, ou na hora de preencher a declaração de ajuste anual, que é o caso de quem só presta serviços para pessoas jurídicas.

Faturamento

Olhando pelo lado do faturamento mensal, quem recebe mais de R$5 mil ao mês, é mais vantajoso se estabelecer como pessoa jurídica. Para quem tem CNPJ e emite notas fiscais, têm diferenças ao recolher os impostos, a tributação nesse caso vai de 8% a 15%, o que é relativamente menor ao ser comparado a pessoa física. Pode ser que a sua atividade se encaixe como Microempreendedor Individual, tendo até R$60 mil de faturamento ao ano, essa é uma outra forma de ter um CNPJ.

O MEI conta com a isenção de tributos federais, e ao invés disso, faz o pagamento de um valor mensal e fixo de acordo com a sua ocupação e também conta com os benefícios concedidos pelo INSS.

Porém, não é qualquer atividade que se encaixa na definição do MEI, portanto é importante também levar em conta como o seu negócio está regularizado e se existe sociedade no exercício profissional em questão.

O passo-a-passo para se tornar um trabalhador autônomo

O início pode trazer novos desafios com os quais não estamos habituados, como a própria gestão de tempo e financeira, além da rotina incerta.

Marca pessoal

Agora você mesmo é o responsável pela sua divulgação e captação de clientes, comece explorando o mercado online, estando em contato com contatos que possam somar ao seu objetivo.

Plano de ação

Qualquer objetivo se torna mais claro e mais seguro a partir do momento que você traça um plano de ação, com objetivos e metas a serem alcançados. Pense no que poderia ser realizado a nível de pequeno, médio e longo prazo, alguns outros pontos para dar início ao seu planejamento são:

  • Quanto devo cobrar pelo meu trabalho?
  • Onde posso encontrar clientes em potencial?
  • O quanto é difícil fechar um novo negócio nesse ramo?
  • O quanto meu trabalho é personalizável? Vou ter que começar do zero a cada trabalho entregue ou é possível fazer somente novas moldagens?

Esteja por dentro de tendências

Mantenha seu olhar crítico e acompanhe profissionais da mesma área. Observe sempre a forma utilizada na linguagem e relacionamento com os clientes, visite redes sociais ou sites profissionais dentro do seu nicho.

Busque seu renome

Tente sempre surpreender pela qualidade do serviço prestado, dê valor aos feedbacks e nunca pare de inovar. O mercado pode ser instável e imprevisível, mas quem oferece serviços de qualidade tende a manter e aumentar a sua cartela de clientes.

O cenário atual para o autônomo

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de trabalhadores autônomos no país já chega a 25,2 milhões. Em comparação ao mesmo período do ano anterior, o último trimestre que foi encerrado em julho deste ano, a porcentagem de autônomos cresceu 4,7%.

Os números apresentam crescimento muito grande no empreendedorismo brasileiro, em grande parte, isso se deve a pandemia e má gestão de crise, que acabou com uma quantidade muito grande de empregos formais e forçou o brasileiro a se aventurar por si próprio.

Os desafios do autônomo

A gestão financeira e de pessoas é apontada como os maiores desafios do empreendedorismo. A burocracia e o alto valor de impostos também tem seu lugar numa lista de dificuldades enfrentadas, assim como a dificuldade ao se trazer inovação e o investimento em marketing e vendas.

Alta carga tributária

Se o empreendedor não tiver um bom planejamento, pode ser que ele não consiga manter o negócio a longo prazo.

Falta de estímulo e crédito

O empreendedor brasileira não conta com muitas facilidades para se dar o primeiro passo, isso pode ser um grande problema para estruturar um negócio do zero.

Alta concorrência

Os números de novos empreendedores são altos, isso também pode indicar uma saturação do mercado a respeito de vários produtos, e esse é um problema para quem está começando agora. Mas essa dificuldade pode ser vencida com perseverança e um bom estudo sobre o produto que deseja apresentar ao mundo.

Burocracia

 O volume de burocracia já é grande no Brasil por si só, e para dar abertura em uma empresa, o cenário não é diferente. Esse é um dos maiores motivos dos planos de muitos brasileiros não saírem do papel.

Escolha do nicho de atuação

Não é raro ouvirmos o conselho de não escolher determinada área porque ela “não dá dinheiro”, não é mesmo? Bom, o empreendedor deve ter, acima de tudo, afinidade com a área escolhida. Podemos apontar como primeiro motivo de sucesso, a paixão do empreendedor pelo seu negócio, e esse nível de comprometimento dificilmente é alcançado quando a única coisa que se leva em conta ao escolher o seu ramo é a parte financeira.

Empresas brasileiras

São Paulo segue sendo a maior e melhor cidade para se empreender no país. São sete grupos dentre 55 indicadores que se levaram em conta para chegar a essa conclusão, sendo eles: inovação, infraestrutura, ambiente regulatório, cultura empreendedora, acesso a capital, mercado e capital humano. As outras cidades que entraram no pódio foram Florianópolis, e Vitória.

Burocracia enfrentada ao abrir novo negócio

O Brasil é um dos países mais burocráticos do mundo, para se abrir um negócio costuma demorar mais de 100 dias, enquanto em muitos países o prazo não passa de 5 dias apenas! São muitas licenças e procedimentos a serem obedecidos para que tudo funcione dentro da lei, além dos custos dessas determinações, como alvarás e algumas liberações específicas a depender do ramo do negócio.

Jeitinho brasileiro

Pode ser visto de forma pejorativa, mas a criatividade e inovação diante das adversidades é uma característica inata do brasileiro, o que pode alavancar o sucesso no empreendedorismo. Mesmo com uma abundância de recursos financeiros, nem todos os negócios iniciados estão fadados ao sucesso, o jeito de pensar além das dificuldades enfrentadas pode ser um fator determinante ao se abrir um novo negócio.

Claro, criatividade não é tudo, também é necessário ter ousadia para se aventurar no mercado. É indispensável para o empreendedor ter a capacidade de colocar a mão na massa até conseguir começar a gerar resultados concretos.

Independente do lugar do mundo, sempre haverá percalços no caminho, então o foco não deve ser voltado para a burocracia ou crise, e sim em contornar as adversidades e prosperar.

Crise

De acordo com Joseph Schumpeter, um dos mais importantes economistas do século XX, toda nação passa por um ciclo econômico que consiste em boom, recessão, depressão e recuperação. O Brasil passou por um dos períodos mais longos de depressão e começa a dar sinais de recuperação.

O período de crise permitiu que negócios que realmente oferecem propostas de valor pudessem pudessem se estabelecer no mercado e também para despertar a criatividade de empreendedores. Hoje em dia o mercado também valoriza muito mais ideias que valorizam o coletivo, como espaços colaborativos de trabalho, compartilhamento de meios de transporte e até aluguel de produtos de uma forma que era inimaginável antes.

Tendências de mercado

Os últimos anos trouxeram diversas mudanças na forma como vivemos e também, como trabalhamos. Inovações tecnológicas estão sendo utilizadas para se destacar dos concorrentes, em formas diferentes de relacionamento com o cliente e também para descobrir novas oportunidades de mercado.

  • Trabalho remoto

O home office teve um grande aumento na demanda nos últimos anos de pandemia. Estudos revelam que ainda terá um aumento de 30% após o período de distanciamento social.

Novas oportunidades e facilidades vieram com esse período, o home office é uma maneira eficiente de usar a tecnologia a favor dos negócios, pois possibilita a redução de trânsito, com menos carros a caminho do trabalho, assim como o desafogamento do transporte público, economia em escritórios e outros ativos relacionados a estrutura física, além de economizar muitas horas que o brasileiro passava a caminho do trabalho, e agora permite que esse trabalhador esteja em sua própria casa, mais perto da família, com mais tempo para si e para usufruir de qualquer atividade de lazer.

Todas essas mudanças também impactam positivamente a entrega do trabalhador, que pode se sentir mais motivado e produtivo com as mudanças, e queda de estresse e outros problemas relacionados à pressão do ambiente de trabalho.

A comunicação também mudou, com menos reuniões ao vivo e formas diferentes de se manter instruções claras por outros canais, mas ainda assim, mantendo a proximidade entre colaboradores, clientes e fornecedores.

  • Autogestão

A autogestão é uma cultura organizacional que pode ser aderida em qualquer tipo de organização. Ela consiste em aderir pessoas como mentores, que vão ajudar a atingir e definir metas e prazos, tudo para influenciar no propósito maior de ajudar as pessoas individualmente para colher frutos como um todo. Ela é muito adotada em empresas que celebram a individualidade e humanidade, e através desse cuidado coletivo, prosperam cada vez mais, entregando mais qualidade para o consumidor final.

Segmentos em alta

Com todas as transformações de cenário atual, alguns setores estão em alta, enquanto outros, já não fazem tanto sucesso.

  • E-commerce

O mercado online prospera como nunca! A cada dia mais pessoas preferem o conforto de sua casa para comprar e receber produtos. Além da alta de consumidores, o marketing ficou mais fácil e igualitário nessa nova fase, ter uma loja virtual faz cada vez mais diferença.

  • Consultoria

Pode ser auxiliando empresas a traçar e alcançar metas, ou até mesmo indivíduos, essa é uma grande opção para profissionais que já tem uma boa visão de mercado e carregam muita experiência.

A consultoria ou o coaching estão em alta já a algum tempo, e a busca por especialistas que podem somar com certos objetivos não para de crescer.

  • Beleza

Produtos naturais e principalmente veganos e personalizados vêm sendo tendências percebidas nesse setor desde o ano passado, e a projeção para o próximo ano também é muito boa. Os consumidores estão buscando algo além das marcas já muito conhecidas, o que abre espaço para pequenos produtores, principalmente de produtos personalizados e diferentes do que já encontramos com facilidade no mercado.

  • Alimentação saudável

Já faz alguns anos que a consciência do consumidor por alimentos saudáveis vinha trazendo frutos nesse mercado, e as apostas para 2022 não são diferentes. Vegetarianos e veganos vem crescendo exponencialmente, enquanto o mercado ainda não está seguro para atender essa demanda. O mercado ainda carece de muita oferta, principalmente de produtos que poderiam ser distribuídos a um valor mais acessível e condizente com a renda brasileira. Alimentos naturais à base de plantas e vegetais são uma aposta forte no próximo ano e ainda deixam muitas oportunidades a serem exploradas pelo empreendedor brasileiro.

  • Marketing digital

Influenciadores, YouTubers, redes sociais, são as maiores tendências quando se trata de marketing barato e eficiente, a internet é o melhor canal de relacionamento da empresa com o cliente já há algum tempo. Se você tem conhecimento nessa área, ainda tem muitas aberturas para se estabelecer como um profissional de peso em 2022.

  • Brechós

Seguindo a linha de produtos naturais e sustentabilidade, cada vez mais as pessoas perdem o preconceito com produtos de segunda mão. Todas as atitudes para reduzir custos e poupar o meio ambiente são bem vindas, e a demanda por brechós que oferecem qualidade só tende a crescer.

  • Clubes de assinatura

Essa é uma outra forma de consumir que talvez não imaginávamos ser possível há alguns anos atrás. Muitas marcas de diferentes segmentos (livros, beleza, bebidas) já aderiram essa oportunidade de conquistar novos clientes, fidelizando por um tempo pré determinado e enviando para casa de cliente uma coleção de itens a cada mês para surpreender o consumidor.

A vantagem é que com a fidelização o cliente paga mais barato nesses serviços que ele recebe de surpresa, e o novo desafio é surpreender cada vez mais esse público para que a parceria se estenda cada vez mais.

  • Franquias

As franquias sempre fizeram, e muito provavelmente, ainda farão sucesso por muitos anos. Costumam ser um bom investimento por já terem uma clientela consolidada e por um projeto já estruturado com um valor que é muitas vezes, mais acessível do que dar início a um negócio do zero.

A produtividade do autônomo

O dia tem 24 horas e mesmo assim não parece ser o suficiente para todas as tarefas que realizamos. Para aumentar a produtividade, é necessário criar rotina e hábitos condizentes com as suas metas, aliás, estudam confirmam que esse é o melhor caminho para aumentar o rendimento no dia-a-dia.

Cada atividade tem que ter uma relevância que faça sentido pra você e para o seu negócio, isso aumenta a produtividade.Tarefas que não fazem sentido, que tomam uma grande quantidade do seu precioso tempo e energias dão uma sensação de cansaço e ineficiência, o que atrapalha ao buscar resultados.

A seguir damos algumas dicas para que você aproveite melhor o seu tempo e produtividade:

  • Programação

É importante saber de antemão qual é o montante de trabalho a ser realizado, você pode separar em tarefas diárias, semanais, mensais e anuais. Deixar que as tarefas simplesmente apareçam para ser resolvidas ao longo do dia vai deixar a sua rotina bagunçada e ineficiente, então ter objetivos a cumprir, especialmente na parte da manhã, vai fazer da sua rotina mais leve e produtiva. Cinco minutos do dia anterior já é suficiente para criar um planejamento eficiente para a rotina do próximo dia útil. Ter essas tarefas por escrito seja numa agenda física ou em algum espaço virtual é interessante para que você tenha consciência do que ainda vai precisar de revisão, e poupar um bom tempo que você poderia perder só verificando o que já está totalmente pronto.

  • Quantifique o seu tempo

Saiba quanto tempo é necessário em cada tarefa com a qual você lida diariamente. Dessa forma, é muito mais fácil você fazer uma programação eficiente, distribuindo as tarefas entre o período da manhã e tarde, além de ser uma forma mais viável para entender o que pode ser realizado dentro de cada dia da semana. Faça o uso de um relógio, não esquecendo de levar em conta períodos de procrastinação, isso vai te ajudar a avaliar se é possível manter a rotina da forma que você já está habituado, ou se mudanças seriam bem vindas para a produtividade. Também existem aplicativos que podem te auxiliar nessa jornada.

  • Saiba priorizar

Certas atividades devem ser priorizadas, e para entender como isso funciona, é necessário criticidade da sua parte e conhecimento do seu negócio.Você deve conhecer cadas aspecto de cada demanda do dia a dia, é importante refletir sobre o prazo de cada tarefa e o impacto que ela vai trazer ao longo do dia. Uma atividade pode ter o prazo mais longo, mas mesmo assim, várias outras dependem da realização desta. Neste cenário, é imprescindível realizar essa tarefa o mais rápido possível, para que assim outras partes da sua rotina possam ter o seguimento adequado.

Além desses aspectos, é sempre bom reservar um espaço no dia para lidar com emergências que possam surgir, assim você terá um tempo adequado para lidar com demandas de última hora, e não vai prejudicar o seu planejamento prévio.

  • Tenha sempre anotado o que for mais importante

Não dependa ou confie demais na sua memória, todos estamos dispostos a falhar em certos momentos. Sem contar que vez ou outra, precisaremos retomar uma informação que não é tão recente, nessa hora a memória pode te deixar na mão e você não terá as respostas que procura com tanta facilidade. Não deixe de ter por escrito tudo que é importante para o seu negócio!

  • Use a tecnologia com sabedoria

Analise se as ferramentas que estão tomando o seu tempo, realmente trazem o efeito que você deseja no seu negócio. Avalie se os indicadores que você faz uso estão trazendo benefícios e resultados, e também o tempo que você utiliza para alimentá-los com dados. Às vezes, simplificar pode aumentar mais a sua produtividade do que depender de opções externas para tal. As redes sociais também podem ser um grande vilão, o que começa como uma olhadinha para verificar tendências e novidades pode se transformar em perda de um tempo muito valioso para a sua produtividade. Reduza a utilização de tais dispositivos ao máximo possível.

  • Não se deixe ser interrompido

A concentração é um ótimo aliado da produtividade. Escolha ambientes calmos, que não seja um ambiente de muita passagem de pessoas, de preferência, evite locais em que você ou outros colaboradores possam receber ligações. Quanto mais o foco, maior a facilidade para terminar determinada tarefa.

Escolha um horário que você não tenha um fluxo muito grande de mensagens e email que demandem resposta urgente, nessa hora também é importante priorizar qual informação é mais importante a ser priorizada por você.

  • Tenha pausas predefinidas

Parece contraditório esse item e o anterior, mas trabalhar ininterruptamente pode diminuir o nível de produtividade, o cérebro também precisa de pausas para funcionar corretamente, então esse item também é de extrema importância para manter o foco no que importa. Estudos apontam que uma pausa a cada 50 minutos já é o suficiente para se manter atento às informações processadas. Quem geralmente fica horas e horas sem pausa focado em uma só tarefa, tende a ver o seu desempenho cair drasticamente.

Em atividades em que é necessário manter a criatividade, as pausas também devem ser encorajadas! Uma simples mudança de cenário ou uma caminhada de 5 minutos já podem diminuir os níveis de estresse e ajudar a pessoa a ter o descanso que precisava para encontrar uma saída criativa para o problema em questão.

  • Mantenha as avaliações do seu tempo

Verifique quais tarefas estão levando mais tempo que o programado e quais estão mais controladas. É importante sempre estar atento aos indicadores de desempenho e produtividade, desta forma é possível sempre melhorar o seu desempenho. Quanto mais conhecimento sobre como você funciona diante de determinadas atividades, melhor você vai conseguir gerir o seu tempo e ajustar uma programação que seja viável. Claro, não deixe de identificar quais são os seus desafios e maiores distrações, elas podem ser o caminho para solucionar qualquer problema de produtividade.

  • Comece pela tarefa mais desafiadora

A procrastinação é a raiz da maior parte dos problemas de produtividade. A preguiça percebida diante de tarefas mais trabalhosas e complicadas é um dos primeiros problemas a se resolver. Sendo assim, encare primeiramente as tarefas mais difíceis, no início do dia temos mais energia para descartar logo o que é mais complexo, e assim as próximas demandas começam a parecer mais simples e tranquilas de resolver. Essa dica vai trazer mais funcionalidade e leveza para a sua rotina e você já perceberá um aumento significativo de produtividade.

Photo of author

Escrito por:

Equipe BemSucedida